segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Sombras






Sombras 

Bíndi



Toda a sua vida havia sido marcada pela sede: de conhecimento, de respostas, de conhecer-se para apreender o mundo complexo de fora, mas sobretudo por um profundo anelo por ser melhor do que era.



Ao seu redor ele via a saciedade dos sentidos, da inteligência, via partidas e retornos, percebia os trens chegando, para os outros, lotados de conhecidos que traziam abraços e fotos de lugares distantes; mas trem algum chegou para ele. Via-se pequeno e ordinário aguardando na estação pelo vagão que traria finalmente a experiência suprema, a aurora mística, a angelitude em vida...



A mochila nas costas, por mais leve que quisesse levar, pesava sempre. Era uma longa jornada tentando desfazer-se de falhas e defeitos, arredondando-se a cada baque da vida, como um seixo que rola agitado por um rio frenético e ao bater no fundo e nas margens perde algumas partículas por vez. Mas era tão pouco para quem almejava tanto...Desejava um futuro não muito distante distribuindo uma luz sem lacunas de sombra, uma bondade sem mácula, uma fraternidade sem cobranças.



Mas entre todas as falhas que ainda tinha por burilar, uma lhe era a mais dolorida: a falta de uma profunda empatia pelo semelhante, essa privação de sentir vontade de chorar quando outro chora, de rir ao perceber o riso, de cantar junto com quem canta – o pior dos defeitos, a suprema carência, em sua forma de ver, e que por mais que se esforçasse não lograva sentir. Queria a perfeição agora, como a criança que sabe do presente escondido há meses no armário não quer esperar pelo natal. Sentia-se pequeno demais enquanto não fosse extremamente grande, sujo demais enquanto não estivesse imaculadamente limpo. Existir como um simples ser humano cheio de falhas doía-lhe.



Foi numa de suas andanças entre as ruelas da parte marginalizada da cidade, tentando sentir a compaixão pungente que sempre buscara, que viu a moça baleada sobre uma poça de sangue. Ao seu lado, pessoas chorosas e desesperadas, e um rapaz que inclinado sobre ela tentava desesperadamente lhe prestar os primeiros socorros e impedir que a vida escoasse com cada uma das gotas que avermelhavam o chão batido. “Preciso de ajuda”, ele falou olhando ao redor em desespero; “Ela tem uma artéria rompida, necessito que alguém faça compressas sobre a hemorragia enquanto eu a reanimo ou ela morrerá...” Com um esgar de horror, as compungidas pessoas que o circundavam instintivamente se afastaram...Não conseguiam cogitar em tocar aquelas carnes dilaceradas e pulsantes, entreolhando-se chocados.



Mas ele agachou-se, pegou a toalha que o socorrista apontava e pressionou o local sanguinolento sem problemas. Assim, ao lado dela, percorreu o caminho todo até o hospital. Quando a maca desapareceu no longo corredor batido pelas cruas luzes brancas, virou as costas para ir, voltando sob os próprios passos. Quase não notou o rapaz a quem ajudara, que ao passar por ele, disse baixinho: “se não fosse sua serenidade e presença de espírito, talvez minha irmã estivesse morta...Obrigado.”



Imagem: http://www.earthporm.com

Música: Sabrina Carpenter - Shadows



domingo, 22 de outubro de 2017

Desculpe Não Ter Dito Adeus



Moça, tua estrada é longa
Nem sempre pisarás em flores
Muitos espinhos te farão chorar
Nesses momentos estarás sozinha

Ainda ontem eu podia cheirar teu perfume
Hoje só posso soprar ao teu ouvido
Mesmo sem ser escutado
Me restam ainda as dores da partida inesperada

Das pessoas, espere compreensão, mas nem sempre
Cada um carrega o próprio céu
Teu céu  é o teu coração
É nele que ficarei agora, por isso não me despedi!

Talvez amanhã eu seja conduzido para mais longe de ti
Entretanto, esses laços não se quebram...mesmo nos confins do universo!

O fato é...eu lamento ter feito você chorar
Saiba que estou bem aqui...não chore  por minha ausência
Lembre dos risos que tivemos, das nossas brincadeiras
O tempo todo eu observava teu jeito de ser, aprendi muito contigo

Obrigado, por ter cuidado de mim 
Obrigado, por ter me recolhido de um destino cruel
Obrigado, por todas as vezes que de tuas mãos recebi o alimento
Obrigado, por nunca teres me batido pelas sujeiras que fiz em tua casa

Agora terei um novo lar, mas nunca te esquecerei
Saiba que continuarei a observar-te, em silêncio...como sempre fiz

Desde que me acolheste em teu colo maternal, observei tua vida
Digo-te com a sinceridade que sempre me expressei...está tudo em tuas mãos.

Depende de ti, chorar sem sofrer em demasia
Dolorir o coração,  porém...seguir
Também terei que seguir, hoje graças à luz que me mostraste...em paz!

Até sempre!

Ghost

Em honra a um serzinho de luz em forma de cão que esteve nesse mundo até 13.10.2017





domingo, 17 de setembro de 2017

Crias da Alma


Meu ego é um cãozinho que se distrai
com as pedras do caminho
A minha Alma é o seu mestre,
que anda adiante dele
e a quem ele segue sem saber.
Julgando-se só e independente,
alegre quando o caminho é fácil
gemendo e ganindo ao cair nas armadilhas
em desespero por pensar-se na solidão

Sorridente e cheia de compaixão,
minha Alma detém-se e vem socorrer este cãozinho...
Carrega-o no colo pra que se acalme
sussurra palavras de acalanto pra que se anime
e novamente coloca-o no Caminho
pois ele tem tanto a percorrer para encontrá-la...

Sorrio do cãozinho cheirando a leite e pão
criança da vida, que não sabe que já é ancião
de vidas e vidas além do Tempo
dormindo em sua caminha de trapos
e em sua inocência achando que tudo tem.

Mas é assim que tem de ser, assim será
pois o Caminho é longo e tem de ser trilhado
E assim acordo todos os dias, cãozinho inocente
sem saber que a Alma de um Deus aguarda em mim.

Bíndi



Imagem: Pinterest.com

Música: Havasi - The Road






quinta-feira, 10 de agosto de 2017

No Dia em que Você Perdeu o seu Sorriso





No dia em que você perdeu o seu sorriso
meu mundo escureceu, emudeci em dissabor
flutuaram em minha alma sentimentos imprecisos
sem atinar no que fazer pra amenizar a sua dor
No dia em que você perdeu o seu sorriso
meu anjo da guarda segurou a minha mão
pois mais em mim do que em ti doía o desalento
de perceber que a alegria assim termina de roldão
Bem pobres são os propósitos humanos
débeis planos, frouxas intenções
que se despedaçam ao menor sopro da fatalidade
Pois nem meu amor mais desvelado devolveu ao teu rosto a claridade
nem minha prece fervorosa desanuviou tuas feições
Mas como amar é estar junto, em todas as situações unidos
com amor e humildade ao Senhor peço
que me inspire a ser teu motivo de sorrir
ser assim tua alegria é meu encanto, é o paraíso
é poesia, inspiração pra todo o bem que espero ainda há de vir.

Bíndi


Imagem: pinterest.com




domingo, 23 de abril de 2017

A Flauta de Silêncio


O bem no universo se manifesta em silêncio
O sol, o ar, as plantas, os animais... aquele jacarandá, em toda a sua majestade, jamais deixou de ser silêncio.
Os astros em silêncio habitam o espaço, e a lua vela meu sono sem reivindicar qualquer retorno. 
As flores que plantei e vingaram em meu jardim, alegres floresceram em cores encantadas 
E todos os dias eu as agradeço por terem escolhido florir.
Mas se eu pisar sobre suas pétalas, ainda assim me darão perfume: 
pois a vingança da flor é encher de perfume a quem as machucou
Desejo aprender das flores, do ar, do sol, e de toda a criação de Deus a essência do humildemente servir
O desejo de notoriedade encobre o verdadeiro sentido do ser
Até mesmo o desejo de ser amado, que tão natural nos parece, 
pode nos levar ao poço sem fundo da carência, do des-amor próprio, da vaidade, do ciúme e da possessividade
Por já ser digna por ser quem sou, filha de meu Pai e irmã do universo, não necessito 
da aprovação nem das glórias de quem quer que seja...
E as críticas que chegarem, venham como lembrança de que sou ainda falível
E não como motivo de melindres a um ego insaciável.
Sem adjetivos ou advérbios, substantivos e pronomes
Simplesmente, Sou.
Que eu seja assim, humilde como as ervas que me dão o chá, e faça o bem com tanta naturalidade, 
que não mais o encare como virtude, mas como parte inerente do meu ser
Que todo o bem que eu fizer, se quede em silêncio tendo apenas o Pai por testemunha.

Bíndi

Imagem: nomaruta.club

domingo, 26 de março de 2017

Um Cantinho para Amar


Já te agradeci pelo teu amor hoje?
Já te disse obrigada pelas caminhadas de mãos dadas,
Pelos beijos roubados, pelos segredos sussurrados,
por todas as grandes e pequenas coisas enfrentadas juntos,
Pela saudade na distância, pelo carinho na proximidade,
pelo saciar do apelo do corpo e pela satisfação dos anseios da alma?
Por me aceitar como sou, sem condições ou culpas, 
por tantas vezes silenciar sobre minhas falhas, e mesmo ao me censurares,
 por fazê-lo com tanto carinho que a censura se torna um afago amigo.
Sei que já te agradeci na xícara de café que te alcancei, no sorriso que te lancei pela janela,
no lenço de papel que te secou o suor depois da caminhada, mas tu realmente o viste? 
Quero ter certeza de que tenhas certeza do quanto teu amor me faz bem
Já podes sondar meu coração até em meu silêncio...mas por tudo que és, mereces que minha voz se eleve, 
que meu melhor sorriso se enterneça, e te agradeça...
Já te agradeci pelo teu amor hoje.
Até amanhã, então...quando quero poder te agradecer por mais um dia ao teu lado, meu amor.

Bíndi, para Ghost

Imagem Goodfon.ru

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Pacto íntimo




Não estou aqui para educar os mal-educados
Mas para usar de boa educação e ser o exemplo vivo da compreensão
Não estou aqui para iluminar a vida de ninguém
Mas para iluminar minha própria sombra e ser exemplo de equilíbrio
Não estou aqui para mostrar caminhos
Mas para, procurando meu próprio caminho, instigar que os outros procurem os seus
Não estou aqui para ensinar os ignorantes
Mas para, abrandando minha própria ignorância, mostrar que todos têm algo a aprender se quiserem buscar
Não estou aqui para impor verdades
Mas para tornar consciente o que em mim era inconsciente, e me fazia ignorar que eu andava às cegas.
Não estou aqui para ser santo
Mas para exercitar a humanidade, deixando ir aos poucos o que é animal em mim...pois não posso almejar viver em mundos celestiais, enquanto em minhas atitudes e hábitos ajo como os porcos pisoteando jardins.
Não estou aqui para ser feliz em atitude egoísta
Mas para descobrir como realizar, com os outros, a possibilidade de um dia sermos todos felizes.
E você... Por que está aqui...?

Bíndi


sábado, 17 de setembro de 2016

Sagrado Corpo


Meu corpo, dorme.
Durma, pequenino
Sou teu Espirito e velarei por ti.
Como pequeno animal aos meus pés, te vejo dos planos do sono.
Não te preocupes que mesmo ao dormires eu velo, em estado de constante alerta
Sou tua consciência, em vigília ou não.
Tenho tanto a te agradecer!
Corpo que me auxilia, me carrega
Veste que me protege de muitos males, alguns até ignorados por mim.
Que é as mãos e braços de Deus agindo através de mim, aqui nesse mundo.
Pela manhã, levanta-te alerta e firme...sei que querias dormir mais, mas temos tanto a fazer...
Dominar a indolência e a falta de vontade é uma das lições a aprender através de ti.
Tu me ensinas muito, sem o saberes.
As lições da dor, as lições do cansaço, do temperamento difícil hereditariamente originado
Às vezes deixo-me levar por ti, tuas paixões, interesses, sofrimentos carreiam-me pra longe
Me perdoa...porque deveria ser eu o teu mestre, e te guiar por caminhos firmes e seguros
Eu que, afinal, tenho milênios de vida, enquanto que tu apenas despertaste nesta.
Deverias seguir-me, confiante, como um cachorrinho que ama seu tutor e mestre e a ele confia a própria vida.
Ao invés disto, tantas vezes deixo a realidade nos golpear com seus freios educadores
Antes que nos joguemos, de frente, contra os muros e precipícios das inclinações imaturas.
Desculpa-me, então...não quis te machucar com a minha imprevidência. Teu bem, é o meu bem...
Precioso vaso que Deus me confiou para que eu o usasse como instrumento de Sua vontade generosa,
Mostrando a mim, através de ti.
Um dia, te deixarei para trás, como roupa muito usada
E como gostaria de ter ensinado, a cada célula tua, o que é amar
Para que um dia elas construam outro corpo, veste de alma mais evoluída que a minha,
Já cientes de como viver uma vida em generosidade e paz.
Que os anjos te abençoem, e a mim também.


Bíndi

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Descendência






Descendência

Só um momento, e já deixarei a sagrada nave
antes que a santa missa inicie seus ritos
Sim, eu já estive antes num local sagrado
Onde vi os fumos de oferendas se elevarem ao céu
e a glória de um irmão ser exaltada por Deus.
Muito longe já se vão as eras
em que este mundo era apenas o óvulo da vida.
Estávamos destinados a gerar os novos homens
que haveriam de lavrar os campos e construir cidades de paz
Esta seria a herança de meu irmão aos seus filhos bem-amados.
Porém, quem prevaleceu foi o Outro
O Malquerido, o Indesejado.
Ah...tanto tempo se foi e ainda sou ferido em minha mente
Pelas lanças pontiagudas de meu orgulho bastardo.
Hoje eu bem sei que a oferenda enaltecida
Não era apenas da ovelha a carne,
senão a própria carne de meu irmão.
Pois foi queimado por ele no altar do sacrifício
não o animal de seu rebanho, mas seu animal interior.
A fumaça subindo aos céus agradou o Criador
porque era feita do lento forjar de uma alma
queimando dentro de si a bestialidade dos instintos,
a ignorância, a pequenez, a agressividade, o ciúme e a gula
Ele imolou em si a fera e fez nascer o humano
E para ele a face de Deus voltou-se alegremente
Pois Seu filho amado compreendera o sacrifício exigido.
Eu, caí.
Mas foi minha a descendência que seguiu-se então
chegando aos dias de hoje, ao número de bilhões.
Quem seriam eles se fossem filhos de meu irmão?
Se não herdassem de mim a semente amarga da selvageria?
Consigo olhá-los com carinho, pois compreendo fundamente a sua imperfeição.
Hei de ajudá-los a reerguer os templos caídos de almas adormecidas
E passo a passo, em suas perturbadas vidas,
amansarem as feras de todas as paixões indignas para que a alma aflore.
Prometo esforçar-me para auxiliá-los, meus filhos, a burilar as rochas e acordar as pedras.
Eu, caí.
Eu, Caim.


Bíndi








sábado, 12 de março de 2016

Armadilhas do Tempo



O teu amor é minha voz trêmula tentando te dizer adeus, e minhas mãos inertes não querendo te acenar. O teu amor estava na estátua do Senhor morto, nas roliças pombas das praças, estava na medalhinha do cordão dourado em teu peito batendo em meu rosto enquanto me amavas. Estava nos olhos com que me miravas nesse momento, cujo olhar parecia vir de um lugar fora do tempo e espaço.

Mas ah...estava mais ainda em minha alma, tão entranhado em minha alma que ela arranhou-se toda nos espinhos da saudade que me atravessaram antes mesmo de minha partida. E o trem chegou, tão veloz, tão veloz...e me levou de ti numa sofreguidão indiferente que não deu por conta do meu espectro parado ainda lá, na estação a te olhar. Ficou para trás meu desejo de dias contigo, te acompanhando pelas escadarias em que subimos nós e desceste só.

Teu amor foi tão grande que não permitiu que eu te visse partir, pois sabias que meu coração congelaria no momento em que me desses o último olhar. Preferiste tu ser aquele deixado para trás, acenando e correndo atrás do comboio que me levava, chorando, a uma vida sem ti.

Mas eu sei que o silêncio é a pausa entre duas palavras de carinho, e a saudade é a pegada que o amor deixou: um dia andarei sobre meus próprios passos, refazendo o caminho que me afastou de ti, e encontrarei ainda a sombra de tua imagem na estação, impregnada como almíscar nas rendas do tempo. E nesse dia, do fundo do silêncio, eu ouvirei a tua voz a me chamar, e cada rosto que cruzar por mim verá a luz daquela que vai reencontrar seu grande amor, pra nunca mais, pra nunca mais, se separar.


Do teu amor, Bíndi!